Evento do Brasil Mais Produtivo reúne representantes do Banco Mundial, BID, Cepal e Ipea

Evento do Brasil Mais Produtivo reúne representantes do Banco Mundial, BID, Cepal e Ipea

Ministro Marcos Jorge (PRB) explicou que o Brasil Mais Produtivo tem papel importante na implantação de novas tecnologias em empresas industriais

Brasília (DF) – O Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) apresentou na tarde de quarta-feira (12) resultados de um estudo sobre o programa Brasil Mais Produtivo conduzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal). O evento, realizado em Brasília, reuniu representantes dessas duas instituições, do Banco Mundial, do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), além de servidores do MDIC e da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial.

Segundo a equipe avaliadora do estudo, o Brasil Mais Produtivo demonstrou ser um instrumento eficaz e com poder de “efeito-demonstração” para que a agenda da política de produtividade seja vista como um meio capaz de trazer resultados para o desenvolvimento, tanto no Brasil como em outros países da América Latina.

Para a Cepal e o Ipea, o programa permitiu a manutenção de uma agenda de política industrial mesmo em um contexto de fortes restrições fiscais e apresenta abordagem inovadora, ao incorporar ações de baixo impacto fiscal que somaram, até novembro deste ano, R$ 56 milhões.

As instituições avaliaram, ainda, os atendimentos, indicadores e resultados do B+P. O programa cumpriu com sucesso a meta inicial de atender três mil empresas, de distintos setores econômicos, em todo o país. Em média, houve um aumento de produtividade de 52,11% e redução do retrabalho de 64,82%. Também foi registrada uma redução de movimento do trabalho de 60,6%.

Confira aqui outros resultados do relatório da Cepal e do Ipea

O ministro Marcos Jorge (PRB) destacou que, no final do mês de outubro, com a assinatura de um decreto do presidente Michel Temer, o B+P, foi instituído como Política Pública e passou a ser destaque de uma nova geração de ações governamentais dedicadas ao aumento da produtividade do país. “É o reconhecimento dos resultados concretos de nossas ações focadas na melhoria do ambiente de negócios brasileiro”, disse.

Ele também explicou que o Brasil Mais Produtivo tem papel importante na implantação de novas tecnologias em empresas industriais. “Sabemos que o salto de produtividade e o ganho de eficiência no chão da fábrica são condições necessárias para que nosso setor produtivo usufrua dos benefícios da nova revolução industrial. O B+P, junto com a Agenda Brasileira para a Indústria 4.0, que implementamos com nossos parceiros ABDI, Finep, BNDES, BASA e os Ministérios do Planejamento, da Ciência e Tecnologia, do Trabalho e da Educação, é exemplo de atuação do MDIC na busca da democratização do acesso às novas tecnologias e melhores práticas”, destacou o ministro.

Além de Marcos Jorge, participaram do evento de apresentação dos resultados do B+P os ex-ministros Marcos Pereira (PRB) e Armando Monteiro; o presidente da ABDI, Guto Ferreira; o diretor do escritório da Cepal em Brasília, Carlos Mussi; o diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi; e o presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), Roberto Jaguaribe.

O deputado federal eleito e ex-ministro do MDIC Marcos Pereira destacou a importância da continuidade das políticas exitosas. “As bases do Brasil Mais Produtivo foram lançadas na gestão do ex-ministro Armando Monteiro. Fizemos a implantação das ações em 16 estados brasileiros. E o Marcos Jorge, meu sucessor, deu continuidade à implantação do programa no restante do país”, disse o republicano. Marcos Pereira se comprometeu a trabalhar na defesa da pauta da produtividade na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços na Câmara.

Guto Ferreira lembrou que o programa nasceu a partir de um seminário realizado pela ABDI em 2015. “Passados três anos, realizamos o projeto piloto com 3 mil empresas e assumimos a responsabilidade de gerenciar os recursos e a operacionalização do programa”, ressaltou. Ele ainda disse que, na última reunião do Conselho de Administração da ABDI, foi aprovada estratégia que dará maior escala ao Brasil Mais Produtivo e foi apresentada iniciativa de criação de um fundo de investimento para garantir orçamento mais robusto para a execução do programa.

Mussi agradeceu ao MDIC pela oportunidade da Cepal realizar a avaliação do programa, em parceria com o Ipea. “Na América Latina, o tema política industrial é muito polêmico”, disse. No entanto, devido aos resultados do programa, que conferiu ganho médio de 52% na produtividade das empresas participantes, ele acredita que a experiência do B+P deverá ser replicada em outros países latino-americanos. O diretor do escritório da Cepal em Brasília destacou, ainda, como ponto positivo a corresponsabilidade financeira do programa, uma vez que as empresas participantes precisam garantir uma contrapartida para ter acesso ao programa.

Brasil Mais Produtivo

Lançado em abril 2016, o Brasil Mais Produtivo visa aumentar a produtividade em processos produtivos de empresas industriais, com a promoção de melhorias rápidas, de baixo custo e alto impacto.

Na primeira fase, o programa executou a metodologia “manufatura enxuta”, que busca reduzir os sete tipos mais comuns de desperdício no processo produtivos: superprodução, tempo de espera, transporte, excesso de processamento, inventário, movimento e defeitos. O atendimento completo teve duração de 120 horas e o investimento por empresa foi de R$ 18 mil (sendo R$ 15 mil pagos pelo programa).

Em abril de 2017, o Brasil Mais Produtivo foi ampliado com a realização de projetos pilotos em duas novas áreas: eficiência energética e digitalização e conectividade. Nessa segunda fase, o programa busca incentivar o uso racional de energia e dos recursos de produção no chão de fábrica e, no eixo tecnológico, os consultores do B+P irão adotar plataformas tecnológicas, como a inserção de sensores e dispositivos, para promover o gerenciamento em tempo real da produção nas empresas atendidas.

O Brasil Mais Produtivo é coordenado pelo MDIC e realizado pelo Senai, Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e Apex-Brasil, em parceria com o Sebrae e o BNDES.

Texto e foto: Ascom – MDIC

Eu repórter republicano

Quer ser um repórter republicano e ver sua matéria publicada no Portal PRB? É muito simples. A Agência PRB Nacional disponibiliza um contato direto para receber todo o conteúdo (textos e fotos). Anote aí o e-mail: pautas@prb10.org.br. Viu como é fácil? Agora é só participar e nos ajudar a manter esse canal sempre atualizado.

REPORTAR ERRO

Informar erro

COMPARTILHE

FALE CONOSCO

O PRB está de portas abertas para ouvir você

Sugestões, críticas, dúvidas e elogios

faleconosco@prb10.org.br

FALE COM O PARLAMENTAR

Nesta semana, envie sua mensagem para a deputada federal Rosangela Gomes (PRB-RJ):

E-mail (clique aqui)
ou
(61) 3215-5438

QUEM É QUEM

Conheça as lideranças do Partido Republicano Brasileiro

CONFIRA

EU REPÓRTER

Deseja indicar uma matéria para sair aqui no Portal PRB?

pautas@prb10.org.br

RECEBA NO SEU E-MAIL

Enviamos para seu email os destaque da semana.
Faça parte do Boletim 10!

Respeitamos seu email. Não gostamos de SPAM.

Você foi inscrito com sucesso!

Pin It on Pinterest

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Receba as novidades do PRB no seu e-mail

Boletim 10: enviado às segundas-feiras. Não enviamos spam.