Senador Eduardo Lopes defende voto favorável à continuação do processo de impeachment

Senador Eduardo Lopes defende voto favorável à continuação do processo de impeachment

Para o senador Eduardo Lopes, o governo da presidente Dilma Rousseff perdeu autoridade política e administrativa para manter-se no comando da República

 

Brasília (DF) – O senador Eduardo Lopes iniciou seu discurso na sessão plenária desta terça-feira (9), lembrando que desde a promulgação da Constituição, em outubro de 1988, esta é a segunda vez que o Senado se debruça sobre um processo de destituição do presidente da República. O primeiro foi em 1992 e, agora, para da presidente Dilma Rousseff. “Um fato curioso, que une os dois casos: ambos portavam a marca do pioneirismo. Em 1992, no primeiro processo, o presidente fora eleito pelo voto direto depois do período dos governos militares; agora, julgaremos a primeira mulher a atingir o posto máximo do governo da República”, destacou o senador.

Ele lembrou ainda que durante o processo, que muitos questionaram sobre a natureza jurídica do impeachment e afirmou que não caberia ele entrar mérito, mas que é evidente à procedência da acusação. “Não vou entrar nessa discussão, que deixo aos eminentes juristas da Casa. Mas, seja qual for a conclusão, o processo em curso preenche todos os requisitos formais e materiais para prosseguir”, disse Lopes.

Para o senador, o governo da presidente Dilma Rousseff perdeu autoridade política e administrativa para manter-se no comando da República. “Todos aqui sabem que o retorno da presidente pode conduzir ao descalabro administrativo e econômico do país, com danos irreversíveis aos seus defensores, sobretudo ao Partido dos Trabalhadores, que correrá o risco de ser execrado pelo eleitorado, como já sinalizam sondagens relacionadas com as próximas eleições municipais”.

Lopes disse que seu partido (PRB) chegou a integrar, por algum tempo o governo da presidente, algo que não o constrange. “O fato de ter participado do governo Dilma só reforça nossa convicção, pois pudemos testemunhar, de perto, seu jeito de governar: o governo de um só, isolado do Parlamento, dos partidos e do seu próprio Ministério. A presidente não ouvia, não articulava, não dialogava: mandava como se fora dona absoluta dos interesses e sonhos dos brasileiros”, afirmou.

Por fim, o senador disse ser independente, e que votaria a favor do julgamento de Dilma. “Acreditamos na capacidade dos brasileiros e de seus representantes nesta Casa, para superar a inércia, o imobilismo, a falta de fé e o desalento que esta crise provoca. Por isso, digo não à ingovernabilidade; digo sim à continuidade do impeachment da senhora presidente da República”, finalizou o senador em seu discurso.

Texto: Texto: Junior Laurindo / Ascom – senador Eduardo Lopes
Foto: Agência Senado

Eu repórter republicano

Quer ser um repórter republicano e ver sua matéria publicada no Portal PRB? É muito simples. A Agência PRB Nacional disponibiliza um contato direto para receber todo o conteúdo (textos e fotos). Anote aí o e-mail: pautas@prb10.org.br. Viu como é fácil? Agora é só participar e nos ajudar a manter esse canal sempre atualizado.

REPORTAR ERRO

Informar erro

COMPARTILHE

FALE CONOSCO

O PRB está de portas abertas para ouvir você

Sugestões, críticas, dúvidas e elogios

faleconosco@prb10.org.br

FALE COM O PARLAMENTAR

Nesta semana, envie sua mensagem para a deputada federal, Rosangela Gomes (PRB-RJ)

E-mail (clique aqui)
ou
(61) 3215-5438

QUEM É QUEM

Conheça as lideranças do Partido Republicano Brasileiro

CONFIRA

EU REPÓRTER

Deseja indicar uma matéria para sair aqui no Portal PRB?

pautas@prb10.org.br

RECEBA NO SEU E-MAIL

Enviamos para seu email os destaque da semana.
Faça parte do Boletim 10!

Respeitamos seu email. Não gostamos de SPAM.

Você foi inscrito com sucesso!

Pin It on Pinterest

Quer fazer um
Curso de Política GRATUITO?

Preencha para receber seu acesso ao curso!