Florestas plantadas: uma das saídas para a crise

Florestas plantadas: uma das saídas para a crise

Em artigo publicado no Portal Congresso em Foco, Crivella destaca que em tempo de crise é bom lembrar que o Brasil tem reserva quase inesgotável de oportunidades para investimentos

 

Em tempo de crise é bom lembrar que o Brasil tem reserva quase inesgotável de oportunidades para investimentos produtivos.

É o caso das florestas plantadas, onde somos 7º lugar no contexto mundial, com apenas 7 milhões de hectares com florestas plantadas, contra 77 milhões de ha da China, 25 milhões de ha dos EUA e 17 milhões de ha da Rússia. Isso a despeito de termos os mais elevados índices de produtividade florestal do mundo.

O Brasil produz em média o dobro do volume de eucalipto e o triplo do volume de Pinus, por unidade de área plantada/ano, do que os EUA. Para passar dos atuais 7 milhões de ha para 15 milhões de ha de florestas plantadas em 10 anos seriam necessários investimentos da ordem de US$ 20 bilhões. Em paralelo, será necessário desenvolver a indústria consumidora e transformadora da madeira.

A indústria de transformação da madeira é hoje concentrada na celulose, da qual somos o 3º maior produtor mundial. Metade da produção é exportada. Mas somos exportadores modestos de madeira serrada, de biomassa combustível, de toras industriais, de painéis de madeira e especialmente de papel e cartão, produtos de maior valor agregado e que dispõe de um mercado incomensurável. Lamentavelmente, somos grandes importadores de papel e cartão.

Para tornar a agroindústria da madeira um setor tão importante quanto a do complexo soja, da agroindústria canavieira ou da proteína animal são necessárias medidas de caráter institucional e a atribuição de prioridades nas políticas industrial e energética.

Providência óbvia é mudar a matriz energética da Amazônia, que consome cerca de R$ 6 bi/ano para subsidiar a logística do diesel, transportado por milhares de quilômetros para pequenas termelétricas de combustível natural da região, a madeira de manejo sustentável a ser coletada na floresta em torno das comunidades ribeirinhas, gerando emprego e integrando a economia local. Apenas 10 sistemas isolados da Amazônia usam a madeira como fonte de energia primária.

A Empresa de Pesquisa Energética, o Cepel, a Aneel e a ANP deveriam empenhar-se para gerar termeletricidade com base na madeira da Amazônia e também em áreas do Espírito Santo, da Bahia e das margens do rio Parnaíba, onde há projetos de reflorestamento e de aproveitamento industrial do produto. Se a ANP dedicasse à madeira como biocombustível, as atenções que, há uma década, dedica ao biodiesel, certamente a matriz energética do País teria outro aspecto. A ANP comete o mesmo pecado que o extinto Instituto do Açúcar e do Álcool cometia com os resíduos da produção do açúcar e do álcool. O que era um estorvo, por falta de pesquisa, hoje são insumos para gerar energia e economizar fertilizantes. A agência reguladora dos biocombustíveis ignora a madeira, o carvão vegetal, a lenha, o bagaço da cana e os resíduos.

Os projetos de produção de “aço verde”, à base de carvão vegetal, enunciados pelo Governo durante a Conferência de Copenhague (2009), para a redução da emissão de gases do efeito estufa, infelizmente, jamais saíram do papel.

Os recursos poderiam ser captados através dos Fundos de Investimentos e Participações. Estes são conhecidos internacionalmente por TIMO-Timber Investment Management Organizations, com regras bem estabelecidas.

Acontece que uma nova interpretação da Lei nº 5.709/71, num parecer da AGU, que restringia a aquisição de terras por estrangeiros, inviabilizou investimentos internacionais no setor. Se for removida essa restrição ao capital estrangeiro, será possível obter, anualmente, recursos para investimentos de US$ 1 bi a US$ 2 bi/ano através dos FIPs. Isso permitiria formar cerca de 1 milhão de ha de novas florestas/ano.

Para remover esse gargalo, apresentei ao Senado Federal um Projeto de Lei sobre o tema que está incluído na Agenda Brasil como uma das estratégias para viabilizar a saída da crise. A implantação de uma agroindústria da madeira cai como uma luva nas intenções corretas do Governo Dilma de reativar a economia e gerar empregos por meio de investimentos privados e sem renúncia fiscal.

*Marcelo Crivella é senador pelo PRB Rio de Janeiro

Artigo publicado pelo portal Congresso em Foco no dia 11/09/2015

 

Eu repórter republicano

Quer ser um repórter republicano e ver sua matéria publicada no Portal PRB? É muito simples. A Agência PRB Nacional disponibiliza um contato direto para receber todo o conteúdo (textos e fotos). Anote aí o e-mail: pautas@prb10.org.br. Viu como é fácil? Agora é só participar e nos ajudar a manter esse canal sempre atualizado.

REPORTAR ERRO

Informar erro

COMPARTILHE

FALE CONOSCO

O PRB está de portas abertas para ouvir você

Sugestões, críticas, dúvidas e elogios

faleconosco@prb10.org.br

FALE COM O PARLAMENTAR

Nesta semana, envie sua mensagem para a deputada federal, Rosangela Gomes (PRB-RJ)

E-mail (clique aqui)
ou
(61) 3215-5438

QUEM É QUEM

Conheça as lideranças do Partido Republicano Brasileiro

CONFIRA

EU REPÓRTER

Deseja indicar uma matéria para sair aqui no Portal PRB?

pautas@prb10.org.br

RECEBA NO SEU E-MAIL

Enviamos para seu email os destaque da semana.
Faça parte do Boletim 10!

Respeitamos seu email. Não gostamos de SPAM.

Você foi inscrito com sucesso!

Pin It on Pinterest

Quer fazer um
Curso de Política GRATUITO?

Preencha para receber seu acesso ao curso!