É preciso mudar a realidade da violência contra a mulher

É preciso mudar a realidade da violência contra a mulher
A Bahia é o segundo estado do Brasil que mais mata mulheres, de acordo com o Atlas da Violência 2018, divulgado no último dia 5 de junho. Em 2016, foram 441 homicídios, o que equivale a 5,7 mulheres assassinadas a cada 100 mil habitantes do estado.

Além disso, entre 2006 e 2016 o crescimento da violência e assassinato aumentou 81,5%. Para completar esse triste quadro, o número de homicídios de mulheres negras é 1,73 vezes maior do que o registrado entre não negras.

Me traz ainda mais desespero ao pensar que do total de agressões contra a mulher, 42,5% são do próprio parceiro ou ex-parceiro, e 68,8% dos incidentes acontecem dentro de casa. Essas mortes, que devem ser punidas no mais alto rigor da lei, são causadas explicitamente pelo preconceito machista, principal móbil do crime, resquício do patriarcalismo, sobretudo, no Nordeste e na nossa Bahia, onde resiste com mais força a ideia de que a mulher deve ter uma atividade restrita ao âmbito doméstico.

Sabia que o ciclo de violência começa muito cedo? Até os 14 anos de idade os pais são os principais responsáveis pela violência. O papel de agressor, porém, vai sendo substituído progressivamente pelo parceiro e pasmem, depois dos 60 anos, os filhos preponderam na violência contra a mulher.

Com muita batalha, consegui aprovar a realização pelo Sistema Único de Saúde (SUS) de cirurgia plástica reparadora de sequelas de lesões causadas por atos de violência contra a mulher. É uma vitória minha e das minhas irmãs. Uma luz nesse túnel tão escuro que é o machismo presente na nossa política.

Como representante na Câmara e presidente estadual do PRB Bahia, prometo empenhar todos os meus dias na luta contra a desigualdade de gênero e na diminuição da violência contra a mulher, assunto que deve ser debatido com a maior seriedade. Qualquer dado apresentado aqui ainda será muito baixo se levarmos em consideração que ainda existem muitas mulheres que sofrem agressão, mas não têm coragem de pedir ajuda. Se você é um desses casos ou conhece alguém que passa por isso, não tenha medo.

A denúncia de violência doméstica pode ser feita em qualquer delegacia, com o registro de um boletim de ocorrência, ou pela Central de Atendimento à Mulher (Ligue 180). A denúncia é anônima e gratuita, disponível 24 horas, em todo o país. Ao registrar o boletim de ocorrência em uma delegacia, a mulher pode entrar com uma medida protetiva sob a Lei Maria da Penha que obriga o agressor a se manter longe dela. Não se cale, a sua denúncia pode salvar uma vida.

*Tia Eron é deputada federal na Bahia pelo PRB

Eu repórter republicano

Quer ser um repórter republicano e ver sua matéria publicada no Portal PRB? É muito simples. A Agência PRB Nacional disponibiliza um contato direto para receber todo o conteúdo (textos e fotos). Anote aí o e-mail: pautas@prb10.org.br. Viu como é fácil? Agora é só participar e nos ajudar a manter esse canal sempre atualizado.

VER TODOS OS ARTIGOS
REPORTAR ERRO

Informar erro

COMPARTILHE

FALE CONOSCO

O PRB está de portas abertas para ouvir você

Sugestões, críticas, dúvidas e elogios

faleconosco@prb10.org.br

FALE COM O PARLAMENTAR

Nesta semana, envie sua mensagem para o senador Eduardo Lopes (PRB-RJ):

E-mail (clique aqui)
ou
(61) 3303-5730

QUEM É QUEM

Conheça as lideranças do Partido Republicano Brasileiro

CONFIRA

EU REPÓRTER

Deseja indicar uma matéria para sair aqui no Portal PRB?

pautas@prb10.org.br

RECEBA NO SEU E-MAIL

Enviamos para seu email os destaque da semana.
Faça parte do Boletim 10!

Respeitamos seu email. Não gostamos de SPAM.

Você foi inscrito com sucesso!

Pin It on Pinterest

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Receba as novidades do PRB no seu e-mail

Boletim 10: enviado às segundas-feiras. Não enviamos spam.