Na China, Marcos Pereira afirma que aprovação da PEC 241 vai ajudar o Brasil

Na China, Marcos Pereira afirma que aprovação da PEC 241 vai ajudar o Brasil

Ministro participa até amanhã, em Macau, do Fórum para Cooperação Econômica e Comercial entre a China e países de língua portuguesa

Macau (China) – Ao discursar na abertura da quinta edição da Conferência Ministerial do Fórum para Cooperação Econômica e Comercial entre a China e Países de Língua Portuguesa, o ministro Marcos Pereira (PRB) afirmou que o Brasil superou a crise política, está tomando medidas para alcançar um equilíbrio fiscal duradouro e vai melhorar o ambiente de negócios no país. “Acabamos de dar o primeiro passo na aprovação de uma mudança na Constituição brasileira que limita os gastos públicos. É um grande avanço. Todos os analistas de mercado apontam esta como a principal medida para que o Brasil volte ao crescimento”, afirmou, citando a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241, aprovada ontem, em primeiro turno, na Câmara dos Deputados.
O ministro também sinalizou que a confiança no Brasil tem aumentado e que os ajustes serão a base para a retomada do crescimento econômico ao trazerem maior previsibilidade, segurança jurídica e transparência aos consumidores e, principalmente, aos investidores. “Estamos nos esforçando para fazer a roda da economia girar. O novo ciclo de desenvolvimento que se inicia agora é sustentado por reformas profundas e inadiáveis, tais como a trabalhista, a tributária e a previdenciária. Além disso, a realização de investimentos maciços em infraestrutura e o fomento ao comércio exterior são apostas do governo do presidente Temer para dinamizar nossa economia e fazer o País voltar a crescer”, afirmou.

Além disso, Marcos Pereira deu destaque às análises recentes de agências de classificação de risco que afirmam que a recessão no Brasil começa a dar sinais de arrefecimento. “A Fitch, por exemplo, prevê que a economia brasileira terá contração de 3,3% neste ano, contra 3,8% previstos no relatório de março. A agência estima, ainda, que o país se recuperará em 2017, com crescimento de 0,7% e prevê expansão de 2% em 2018”.

Antes de encerrar o pronunciamento, Marcos Pereira destacou a importância da contribuição do comércio exterior para a retomada do crescimento econômico. “Parece-me imperativa a necessidade de realizar a integração plena da economia brasileira no comércio internacional por meio de cadeias de valor e buscando a celebração de acordos de livre comércio, sejam eles bilaterais ou regionais, em todas as áreas econômicas relevantes. Diante deste cenário, faz-se necessário assegurar que a política de comércio exterior esteja no centro da agenda prioritária do governo. As trocas externas, quando apoiadas em políticas públicas bem elaboradas, são vetores poderosos para dinamizar a economia, estimular os investimentos produtivos e inovadores e gerar emprego e renda no país”, finalizou.

A conferência ministerial, com a participação dos ministros da China, Brasil, Angola, Portugal, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e Timor Leste foi aberta pelo discurso do primeiro-ministro chinês, Li Keqiang. Ele afirmou que a China, país que organiza o evento, pretende continuar a ser o parceiro comercial mais importante dos países de língua portuguesa e o principal mercado de exportação desses países. Segundo ele, o estoque de investimentos da China nesses mercados chega a US$ 50 bilhões. “Queremos promover uma parceria de longo prazo saudável e afável. Devemos promover a facilitação de comércio e investimento entre nossos países.”

Intercâmbio comercial

A China foi o principal destino das exportações brasileiras em 2015, com participação de 18,6% no total das vendas externas do Brasil. No total, nossas exportações para a China no ano passado chegaram a US$ 35,6 bilhões. A pauta é composta 80,3% de produtos básicos; 13,2% de semimanufaturados; e 6,4% de manufaturados.  Nossos principais produtos exportados são soja em grãos (44,3%); minério de ferro (18,1%); petróleo em bruto (11,6%); celulose (5,2%); açúcar em bruto (2,1%); couros e peles (1,7%); e carne de frango (1,7%). Em 2015, mais de duas mil empresas brasileiras venderam produtos para o mercado chinês.

A China também foi o principal fornecedor estrangeiro ao Brasil em 2015, com participação de 17,9% no total de nossas compras do exterior. As importações brasileiras da China atingiram US$ 30,7 bilhões, em 2015, sendo 97,1% de produtos manufaturados, 2,5% de produtos básicos e 0,4% de semimanufaturados.  O Brasil importa da China principalmente circuitos impressos para telefonia (4,7%); partes de aparelhos transmissores e receptores (4,3%); partes e acessórios de máquinas  para processamento de dados (3,1%); plataformas de perfuração ou exploração (3,1%); motores e geradores elétricos (2,7%); compostos heterocíclicos (2,3%); entre outros. Em 2015, 24 mil empresas brasileiras comparam produtos chineses.

Texto e foto: Ascom – MDIC 

 

Eu repórter republicano

Quer ser um repórter republicano e ver sua matéria publicada no Portal PRB? É muito simples. A Agência PRB Nacional disponibiliza um contato direto para receber todo o conteúdo (textos e fotos). Anote aí o e-mail: pautas@prb10.org.br. Viu como é fácil? Agora é só participar e nos ajudar a manter esse canal sempre atualizado.

REPORTAR ERRO

Informar erro

COMPARTILHE

FALE CONOSCO

O PRB está de portas abertas para ouvir você

Sugestões, críticas, dúvidas e elogios

faleconosco@prb10.org.br

FALE COM O PARLAMENTAR

Nesta semana, envie sua mensagem para a deputada federal Tia Eron

dep.tiaeron@camara.leg.br
(61) 3215-5618

QUEM É QUEM

Conheça as lideranças do Partido Republicano Brasileiro

CONFIRA

EU REPÓRTER

Deseja indicar uma matéria para sair aqui no Portal PRB?

pautas@prb10.org.br

RECEBA NO SEU EMAIL

Enviamos para seu email os destaque da semana.
Faça parte do Boletim 10!

Respeitamos seu email. Não gostamos de SPAM.

Você foi inscrito com sucesso!

Pin It on Pinterest