Ministro Marcos Pereira participa de apresentação de estudo sobre comércio eletrônico

Ministro Marcos Pereira participa de apresentação de estudo sobre comércio eletrônico

No Brasil, o setor de comércio eletrônico faturou, em 2015, R$ 41,3 bilhões, um crescimento de 15% na comparação com 2014

 

Brasília (DF) – O ministro da Indústria, Comércio e Serviços, Marcos Pereira (PRB), participou, nesta terça-feira (17), da apresentação do “Estudo comparativo sobre comércio eletrônico nas pequenas e médias empresas no Brasil e União Europeia”. Em seu discurso, durante a abertura do evento, o ministro destacou que o estudo vai auxiliar na elaboração de políticas públicas para o comércio eletrônico.

“O setor terciário, mais especificamente o varejo, dentro do qual está o comércio eletrônico, possui características singulares, necessitando, desta forma, de políticas específicas para seu desenvolvimento. Diante do modelo federativo brasileiro, sabe-se que o comércio eletrônico enfrenta desafios relacionados, por exemplo, a questões legislativas e a regras fiscais distintas entre os estados. Paralelamente, na União Europeia, o setor também encontra desafios semelhantes entre um país e outro”, disse Pereira.

O estudo lançado pelo Ministério da Indústria, Comércio e Serviços integra o projeto “Apoio aos Diálogos Setoriais UE-Brasil”, que tem como objetivo contribuir para o progresso e o aprofundamento da parceria estratégica e das relações bilaterais entre o Brasil e a União Europeia por meio do apoio ao intercâmbio de conhecimentos técnicos.

O projeto é coordenado em conjunto pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) – por meio da Direção Nacional do Projeto – e pela Delegação da União Europeia no Brasil (Delbra). Pedro Santos, delegado da União Europeia, esteve presente ao evento de lançamento e declarou que o estudo será importante para incentivar a internacionalização das pequenas e médias empresas (PMEs), diante dos desafios apresentados pelo desenvolvimento acelerado das tecnologias e mudança de normas e padrões.

“Entendemos que iniciativas como a deste evento reconhecem a importância do comércio eletrônico para o crescimento e desenvolvimento do país.  Trata-se de um setor cresce a taxas expressivas anualmente e que se apresenta hoje com grande relevância para o crescimento do varejo no atual cenário macroeconômico”, disse o ministro.

No Brasil, o setor de comércio eletrônico faturou, em 2015, R$ 41,3 bilhões, um crescimento de 15% na comparação com 2014. Já as empresas europeias movimentaram € 424 bilhões, em 2014 (último dado disponível), segundo o Ecommerce Europe, associação com mais de 25 mil empresas de comércio eletrônico. O desempenho do setor em 2014, na União Europeia, foi 14% maior que o verificado em 2013.

O estudo apontou que há potencial para a manutenção do crescimento do setor no Brasil, uma vez que as vendas online representaram, em 2015, apenas 4,1% do faturamento do varejo. Na avaliação do secretário de Comércio e Serviços do Ministério, Marcelo Maia, “na Europa, estima-se que as vendas online já representem 13% do setor”. Quando a comparação é feita com o PIB, cai para 0,9%. Marcelo Maia esclarece que em países como Reino Unido e China, líderes mundiais de e-commerce, esse índice sobe para mais de 5%.

marcos-pereira-prb-participa-apresentacao-de-estudo-sobre-comercio-eletronico-foto2-mdic-17-5-2016O estudo também verificou que há vários aspectos no e-commerce brasileiro que precisam ser aperfeiçoados como, por exemplo, a infraestrutura de telecomunicações de banda larga fixa; a capacitação dos gestores de PMEs para o mundo digital; o acesso ao crédito; a simplificação dos sistemas fiscal e legal; a internacionalização das PMEs; e a criação de estratégia integrada para promoção do empreendedorismo digital. Por outro lado, o documento constatou também que nos grandes centros europeus há elevado grau de sofisticação de serviços de pagamentos eletrônicos; plataformas digitais modernas e preparadas para demandas em escala e a existência de serviços sofisticados de logística. Elementos que contribuem fortemente para o desenvolvimento do setor.

Durante as pesquisas realizadas para o documento, foram observadas algumas similaridades entre a realidade do e-commerce brasileiro e o europeu. O setor das duas regiões tem apresentado crescimento expressivo nos últimos anos e contribui para o desenvolvimento e crescimento das pequenas e médias empresas. Nos dois mercados, as PMEs são as mais atuantes do setor de e-commerce, chegando a 80% no Brasil, de acordo com a Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (Câmara-e.net). Marcelo Maia, entretanto, destaca que, no caso brasileiro, a participação das PMEs ainda é tímida, representando apenas 15% do faturamento do varejo, enquanto que as grandes companhias ficam com 85% do comércio eletrônico nacional. Outra semelhança entre Brasil e Europa, é a concentração das operações no mercado doméstico. São poucas as PMEs que se aventuram a realizar vendas online para outros países, mesmo dentro da Europa, onde apenas 7% das PMEs fazem comércio eletrônico transfronteiriço.

Recomendações

O estudo também apresenta recomendações para o setor. Internamente, são recomendados avanços na legislação, regulação e fiscalização como:  desburocratização e simplificação de procedimentos tributários em geral para as PMEs; integração dos processos de cobrança e operações acessórias; e adoção de regras de tributação simplificadas nas transações extrarregionais ou interestaduais. O documento reitera a necessidade, por exemplo, do estabelecimento de normativos referentes à privacidade e tratamento de dados pessoais.

Questões relacionadas à infraestrutura de telecomunicações e logística também foram abordadas, com a recomendação de que sejam formuladas políticas públicas que permitam a acessibilidade das empresas a serviços de internet e também a criação de incentivos econômicos e políticas de fomento para oferecimento de pacotes de serviços para as PMEs.

Outras frentes apontadas no estudo são a criação de linhas de crédito baseadas em modelos europeus como o Vale Inovação, Vale Empreendedorismo e Vale Internacionalização e a reestruturação dos modelos e programas de financiamento, junto ao Sistema Financeiro Nacional. Além da necessidade de fomentar o acesso de PMEs à Contratação Pública Eletrônica e trabalhar para a dinamização do empreendedorismo digital.

Texto e fotos: Ascom – MDIC 

 

Eu repórter republicano

Quer ser um repórter republicano e ver sua matéria publicada no Portal PRB? É muito simples. A Agência PRB Nacional disponibiliza um contato direto para receber todo o conteúdo (textos e fotos). Anote aí o e-mail: pautas@prb10.org.br. Viu como é fácil? Agora é só participar e nos ajudar a manter esse canal sempre atualizado.

REPORTAR ERRO

Informar erro

COMPARTILHE

FALE CONOSCO

O PRB está de portas abertas para ouvir você

Sugestões, críticas, dúvidas e elogios

faleconosco@prb10.org.br

FALE COM O PARLAMENTAR

Nesta semana, envie sua mensagem para a deputada federal Tia Eron

dep.tiaeron@camara.leg.br
(61) 3215-5618

QUEM É QUEM

Conheça as lideranças do Partido Republicano Brasileiro

CONFIRA

EU REPÓRTER

Deseja indicar uma matéria para sair aqui no Portal PRB?

pautas@prb10.org.br

RECEBA NO SEU EMAIL

Enviamos para seu email os destaque da semana.
Faça parte do Boletim 10!

Respeitamos seu email. Não gostamos de SPAM.

Você foi inscrito com sucesso!

Pin It on Pinterest