Entidades ligadas à pesca no Brasil pedem a Pereira apoio do PRB contra extinção do MPA

marcos-pereira-prb-apoio-entidades-pesca-contra-extincao-do-mpa-foto-douglas-gomes-27-08-15-02

PRB administrou o Ministério da Pesca por três anos, com Marcelo Crivella e Eduardo Lopes.

 

Brasília (DF) – Preocupados com a possibilidade da extinção do Ministério da Pesca e Aquicultura, sempre citado quando uma eventual reforma ministerial volta à discussão, representantes das principais entidades do setor no Brasil pediram o apoio do advogado e presidente nacional do PRB, Marcos Pereira, para impedir que o órgão, criado em 2009, seja reintegrado ao Ministério da Agricultura. Eles estiveram reunidos nesta quarta-feira (26), em Brasília.

Presidente do Conselho Nacional de Pesca e Aquicultura (Conepe), Armando José Burle apelou ao PRB, que comandou o MPA por três anos – primeiro com o senador Marcelo Crivella e posteriormente com Eduardo Lopes -, para que faça gestão junto ao Palácio do Planalto pela manutenção do ministério. “Estamos fazendo uma peregrinação no Congresso Nacional para mostrar a importância do Ministério da Pesca”, afirmou.

marcos-pereira-prb-apoio-entidades-pesca-contra-extincao-do-mpa-foto-douglas-gomes-27-08-15-01

Pereira recebe pedido de apoio de representantes das entidades.

As justificativas de Burle são convincentes e conhecidas por Pereira. Pelo menos 4,5 milhões de pessoas vivem da pesca e aquicultura no país, disse ele, e o mercado internacional movimenta algo em torno de US$ 160 bilhões por ano, quase três vezes mais do que somadas as produções de gado, frango e porco. No Brasil, entretanto, o setor ainda é inexpressivo tendo em vista o potencial não explorado. “Temos 12% da água aproveitável do mundo e 8,5 quilômetros de costa marítima”, elencou.

A efeito de comparação, a quantidade de água doce da China é três vezes menor que a do Brasil – que a propósito é a maior do mundo -, mas o gigante asiático produz nada menos que 58 vezes mais peixe que os produtores nacionais. As dificuldades de licenciamento ambiental, aquisição de tecnologia e disponibilidade de crédito para a produção do pescado são os entraves apontados por Burle para o desenvolvimento do setor.

Fernando Pinto das Neves, representante do Sindicato dos Armadores e das Indústrias de Pesca de Itajaí e Região (Sindipi), afirma que o impacto ambiental na aquicultura é menor que todas as outras. Ele defende, no entanto, que o gerenciamento seja feito baseado em pesquisas científicas, o que ocorre muito timidamente hoje no país. Além disso, a capacidade produtiva de peixes por hectare é muito maior que a de bois – 320 contra 0,12 toneladas por ano.

Além do potencial econômico, o presidente da Federação de Pesca e Aquicultura de Rondônia, Hélio Braga de Freitas, disse que a pesca é uma das principais atividades trabalhistas no país, tendo portanto um caráter social muito forte. Ele argumenta que moradores da Bacia Amazônica dependem da atividade, que é forma de subsistência das famílias. “O enfraquecimento da pesca no país vai afetar um número muito grande de famílias”, disse.

O presidente do PRB afirmou ser sensível à causa. Em outras ocasiões, Pereira reforçou que, embora o PRB tenha deixado o Ministério da Pesca, nunca abandonou os pescadores. Recentemente, em São Paulo, ele recebeu na sede do partido os principais representantes de entidades e produtores de peixes ornamentais, que apontaram as mesmas dificuldades. “O que me preocupa mais não é o fato de sugerirem a extinção do MPA, mas de a opinião pública simplesmente não entender a importância do setor para o país”, disse.

Pereira alertou que num momento de crise como o atual, impedir o desenvolvimento de uma cadeia produtiva tão rica é jogar contra o país. “No Brasil percebe-se uma dificuldade imensa de empreender e inovar. A burocracia excessiva e a alta carga tributária impedem o avanço econômico em diversas frentes, e a pesca é certamente uma delas. Ou se destrava as engrenagens ou jamais alcançaremos um nível produtivo semelhante ao de países desenvolvidos”, ponderou.

Participaram da reunião o presidente da Confederação Nacional da Pesca e Aquicultura (CNPA), Abraão Lincoln – que também comanda o PRB no Rio Grande do Norte, e representantes das federações de pesca de Rondônia, Pará, Santa Catarina e Rio de Janeiro.

Texto: Diego Polachini / Ascom – Presidência Nacional e 
Mônica Donato / Ascom – Liderança do PRB
Fotos: Douglas Gomes

 

Eu repórter republicano

Quer ser um repórter republicano e ver sua matéria publicada no Portal PRB? É muito simples. A Agência PRB Nacional disponibiliza um contato direto para receber todo o conteúdo (textos e fotos). Anote aí o e-mail: pautas@prb10.org.br. Viu como é fácil? Agora é só participar e nos ajudar a manter esse canal sempre atualizado.

REPORTAR ERRO

Informar erro

COMPARTILHE

FALE CONOSCO

O PRB está de portas abertas para ouvir você

Sugestões, críticas, dúvidas e elogios

faleconosco@prb10.org.br

FALE COM O PARLAMENTAR

Nesta semana, envie sua mensagem para a deputada federal Tia Eron

dep.tiaeron@camara.leg.br
(61) 3215-5618

QUEM É QUEM

Conheça as lideranças do Partido Republicano Brasileiro

CONFIRA

EU REPÓRTER

Deseja indicar uma matéria para sair aqui no Portal PRB?

pautas@prb10.org.br

RECEBA NO SEU EMAIL

Enviamos para seu email os destaque da semana.
Faça parte do Boletim 10!

Respeitamos seu email. Não gostamos de SPAM.

Você foi inscrito com sucesso!

Pin It on Pinterest