Wellington Moura debate situação dos portadores de doenças raras em SP

Wellington Moura debate situação dos portadores de doenças raras em SP

A cada dez mil pessoas, 1,3 mil são portadoras de doenças raras. 80% dos casos têm como fator alterações genéticas, e são geralmente crônicas, graves e degenerativas

 

São Paulo (SP) – O deputado estadual Wellington Moura (PRB-SP) promoveu na segunda-feira (29), Dia Mundial de Conscientização das Doenças Raras, na Assembleia Legislativa de São Paulo, um debate sobre doenças raras no Brasil. O evento foi realizado em conjunto com a Frente Parlamentar da Saúde e Pesquisas Clínicas, coordenada por Moura, e a Associação Paulista de Mucopolissacaridose e Doenças Raras.

O objetivo do encontro, segundo o republicano, foi debater a situação dos portadores de doenças raras no país, trabalhar a conscientização da população e a elaboração de políticas públicas que permitam que o portador tenha uma vida com mais qualidade.

Wellington Moura debate situação dos portadores de doenças raras em SPWellington Moura iniciou o terceiro painel do debate, apresentando o trabalho realizado pela Frente Parlamentar da Saúde e Pesquisas Clínicas desde o seu lançamento em agosto do ano passado. Foram mais de 60 encontros, entre reuniões e debates, para estimular o apoio de pessoas e entidades importantes, para a criação de projetos de lei de caráter social. “A intenção da Frente Parlamentar não é outra, senão a de tornar claras as melhorias necessárias no sistema regional de saúde e assim orientarmos a legislação sobre a matéria, auxiliando o poder executivo na elaboração de políticas públicas da pasta”, enfatizou Moura.

O parlamentar reforçou o compromisso do seu partido com a saúde no país. “Como o próprio presidente nacional do PRB, Marcos Pereira, disse no lançamento desta Frente, temos que sair da retórica e ir para a prática. Essa é a nossa luta diária, promover a união do poder público e da sociedade em geral para estimularmos as mudanças”, lembrou o republicano.

A cada dez mil pessoas, 1,3 mil são portadoras de doenças raras, 80% dos casos têm como fator alterações genéticas, e são geralmente crônicas, graves e degenerativas.

A coordenadora-geral de alta e média complexidade da Secretaria de Atenção à Saúde (SAS), do Ministério da Saúde, Dra. Maria Inêz Gadelha, falou da criação do Sistema Único de Saúde (SUS) e o quanto ele representa para a população em todo o país. “Eu sou médica há 42 anos e sei o que o SUS representou para a população brasileira. Esse sistema reduziu a mortalidade infantil e contribuiu para o aumento da expectativa de vida dos brasileiros”, avaliou Maria Inêz.

“Uma política tem o papel de incluir, garantir direitos de cidadania; o desafio é fazer o SUS sobreviver”, salientou Carmela Glinder, coordenadora do projeto de implantação do Programa de Doenças Raras no Estado de São Paulo.

O provedor da Santa Casa de São Paulo, o professor doutor José Luiz Egydio Setúbal, lembrou a importância do dia 29 de  fevereiro, Dia Mundial da Conscientização das Doenças Raras, e a função desta data, que é a de disseminar  informações sobre as doenças raras para a população. “Não podemos conscientizar somente aqueles que fazem políticas públicas”, destacou.

Segundo Charles Marques, geneticista e doutor em neurociências da Universidade de São Paulo, as lipofuscinoses são o grupo mais comum de doenças neurodegenerativas da infância. A dificuldade de diagnóstico, pesquisa e reabilitação são os principais problemas relacionados a doença.

Charles Lourenço, disse que dos recém-nascidos vivos, 8% tem algum tipo de doença genética. Os casos de malformações congênitas, 50% são passíveis de correção.  “Precisamos ter condições de dar o diagnóstico, quando isso acontece evitamos que toda uma família tenha o problema”, afirmou.

O presidente do Conselho Federal de Medicina e da Sociedade Brasileira de Direito Médico, Dr. Carlos Vital, apresentou o panorama da saúde pública no país. Hoje o Brasil gasta por dia R$ 3,89 por habitante. As prefeituras disponibilizam R$1,87. “A maior insatisfação apontada pelos brasileiros foi no tempo de espera pelo atendimento, em segundo lugar a falta de médicos, e em terceiro a falta de estrutura”, disse.

O debate contou ainda com as presenças do Dr. Renato Alencar Porto, presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa);  Dra. Clarice Petramale, diretora da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec); Mara Gabrilli, deputada federal (PSDB/SP); professora doutora Vera Kock, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; Dra. Flávia Piazzon, da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE/SP); Dra. Andrea Bento, da Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale); Dr. Thiago Farina, do Instituto Oncoguia; Dr. Marco Torronteguy, conselheiro Nacional de Saúde (AME/Mopem); e Dra. Greyce Lousana, presidente  da Sociedade Brasileira e Profissionais em Pesquisa Clínica.

Texto: Miriam Silva / Ascom – deputado estadual Wellington Moura
Fotos: Thiago Teixeira

 

Eu repórter republicano

Quer ser um repórter republicano e ver sua matéria publicada no Portal PRB? É muito simples. A Agência PRB Nacional disponibiliza um contato direto para receber todo o conteúdo (textos e fotos). Anote aí o e-mail: pautas@prb10.org.br. Viu como é fácil? Agora é só participar e nos ajudar a manter esse canal sempre atualizado.

REPORTAR ERRO

Informar erro

COMPARTILHE

FALE CONOSCO

O PRB está de portas abertas para ouvir você

Sugestões, críticas, dúvidas e elogios

faleconosco@prb10.org.br

FALE COM O PARLAMENTAR

Nesta semana, envie sua mensagem para a deputada federal Tia Eron

dep.tiaeron@camara.leg.br
(61) 3215-5618

QUEM É QUEM

Conheça as lideranças do Partido Republicano Brasileiro

CONFIRA

EU REPÓRTER

Deseja indicar uma matéria para sair aqui no Portal PRB?

pautas@prb10.org.br

RECEBA NO SEU EMAIL

Enviamos para seu email os destaque da semana.
Faça parte do Boletim 10!

Respeitamos seu email. Não gostamos de SPAM.

Você foi inscrito com sucesso!

Pin It on Pinterest