Carlos Gomes promove audiência pública para discutir prejuízos causados pelo álcool

Carlos Gomes promove audiência pública para discutir prejuízos causados pelo álcool

“A indústria fica com o lucro advindo do consumo do álcool e a sociedade arca com o prejuízo dos danos à saúde, além do impacto social e econômico”, lamentou o parlamentar republicano

 

Porto Alegre (RS) – Os danos causados pelo consumo do álcool foram tema de audiência pública na Comissão de Saúde e Meio Ambiente na manhã desta segunda-feira (16). O encontro foi proposto pelo deputado Carlos Gomes (PRB-RS), que coordenou os trabalhos. “A indústria fica com o lucro advindo do consumo do álcool e a sociedade arca com o prejuízo dos danos à saúde, além do impacto social e econômico”, lamentou o parlamentar republicano.

Ingestão de álcool está diretamente relacionada com a criminalidade

17_12_13_destaque03_audiencia_publica_discute_prejuizos_causados_alcool002O primeiro palestrante foi o delegado de Polícia Federal José Francisco Mallmann, ex-superintendente da PF e ex-secretário de Segurança Pública do Rio Grande do Sul. O delegado é autor da Operação Lei Seca, criada em 2007 no Estado e disseminada posteriormente em todo o País. Mallman apontou a relação entre a ingestão de bebidas alcoólicas e a incidência de homicídios, acidentes de trânsito e violência doméstica, em especial contra as mulheres.

Números revelam que cerca de 40% dos inquéritos policiais são consequência da ingestão de bebida. “No Rio Grande do Sul, 32% dos assassinos estavam alcoolizados no momento dos crimes, e 80% dos agressores nos casos de violência contra a mulher”. Ele também chama a atenção para o fato de que quem mata não é o trânsito, mas o álcool.

O desafio maior, de acordo com o delegado, é disciplinar legalmente o comércio e consumo de álcool, proibindo a venda após a meia-noite. Também chamou a atenção para a necessidade de permitir a propaganda no rádio e televisão somente após às 22 horas. “Uma das maiores dificuldades em alterar a legislação reside no comprometimento de agentes públicos com a indústria do álcool, pois já foi noticiado que cerca de 70% dos congressistas brasileiros receberam ajuda desse segmento para suas campanhas”, observa.

Mallmann defende a criação de um fundo especial para a recuperação das vítimas do álcool, a ser mantido pela indústria de bebidas alcoólicas. “Observamos a obtenção de lucro das empresas com o consumo de álcool, enquanto o Estado e a sociedade ficam com o ônus do alcoolismo. É o contribuinte quem paga pelos danos advindos do vício”, alertou.

Hipocrisia da sociedade

O álcool é a quarta droga mais nociva, perdendo apenas para a heroína, cocaína e barbitúricos. A nicotina aparece em 7º e a maconha em 8º. “O álcool é a porta de entrada para outras as drogas e não a maconha. Essa é a hipocrisia da nossa sociedade”, observa Mallman. O delegado acredita que muitas mortes ocorridas na tragédia da boate Kiss em Santa Maria poderiam ter sido evitadas. “A maioria dos jovens estava sob efeito de álcool e perdeu sua capacidade de reação frente àquela situação”.

Mallmann criticou a postura dos deputados da Assembleia Legislativa que aprovaram a suspensão da proibição da ingestão de bebidas alcoólicas durante a Copa do Mundo de 2014 e cobrou a fiscalização na saída dos jogos.

O deputado Jurandir Maciel (PTB) esclareceu que votou contra a suspensão da lei que proibiu a venda de bebidas nos estádios durante a Copa do Mundo de 2014. “Nossa missão aqui é promover a vida”, reiterou.

17_12_13_destaque03_audiencia_publica_discute_prejuizos_causados_alcool003Foco nos jovens

Os jovens estão no foco da indústria do álcool segundo o psiquiatra e psicanalista Sergio de Paula Ramos, membro do Conselho Consultivo da Associação Brasileira de Estudos sobre o Álcool e outras Drogas (Abead). “Temos uma nova geração que acredita que não é possível se divertir sem álcool”, disse. De acordo com ele, como a indústria não estaria conseguindo aumentar o consumo entre homens adultos, ela estaria investindo em propaganda para mulheres, idosos e em especial para os jovens.

Se uma pessoa ingerir bebida apenas aos 21 anos, como prevê a legislação americana, a chance de ela tornar-se dependente é de 9%. “No Brasil, onde o consumo inicia aos 13 anos, esse percentual vai para 47%.” Ramos afirmou que, em sua experiência de 40 anos no tratamento da dependência, verificou que predominantemente o álcool representa o primeiro contato dos dependentes com o universo das drogas.

O psiquiatra acredita que as campanhas contra o crack tiraram o foco do álcool, que é o principal problema por ser uma droga lícita e mais generalizada. “Apenas 0,7% das pessoas tem problemas com crack. Já a bebida atinge 12,5% da população. Em termos de saúde pública não tem comparação.”

17_12_13_destaque03_audiencia_publica_discute_prejuizos_causados_alcool004Encaminhamentos

Entre as propostas apresentadas no final da audiência, os participantes destacaram a restrição de horário para o comércio e propaganda de bebida alcoólica e a abordagem adequada do tema no anteprojeto de alteração do Código Penal brasileiro, além de elaboração de campanhas pelas redes sociais e publicação de cartilhas impressas.

A procuradora de Justiça Noara Lisboa manifestou a necessidade de urgência para a apreciação, pela Câmara dos Deputados, do projeto de autoria do senador Humberto Costa (PLS 508/2011) que criminaliza a venda de bebidas alcoólicas para menores de 18 anos. A proposta já foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Noara lembrou que atualmente o Estatuto da Criança e do Adolescente criminaliza a venda, o fornecimento e a entrega de produtos cujos componentes podem causar dependência física ou psíquica, mas não deixa explícito que o álcool faz parte dessa lista de produtos. Segundo informou, o objetivo da proposta é evitar contestações judiciais ou dúvidas. A moção de apoio à proposição, além das demais conclusões do encontro, devem ser encaminhadas ao Governo do Estado, ao Congresso Nacional e demais entes envolvidos. O deputado também comprometeu-se em apresentar propostas legislativas acerca do tema.

Também participaram do debate a diretora institucional da Fundação Thiago Gonzaga, Ana Maria Dall Agnese; o presidente Estadual do Tribunal de Mediação, Roque Bakof, além do representante da Famurs Paulo Airton Nunes da Silva.

Texto: Agência de Notícias – AL/RS
Edição Ascom – deputado estadual Carlos Gomes
Fotos: Adriana Pereira e Gabriele Didone

 

Eu repórter republicano

Quer ser um repórter republicano e ver sua matéria publicada no Portal PRB? É muito simples. A Agência PRB Nacional disponibiliza um contato direto para receber todo o conteúdo (textos e fotos). Anote aí o e-mail: pautas@prb10.org.br. Viu como é fácil? Agora é só participar e nos ajudar a manter esse canal sempre atualizado.

REPORTAR ERRO

Informar erro

COMPARTILHE

FALE CONOSCO

O PRB está de portas abertas para ouvir você

Sugestões, críticas, dúvidas e elogios

faleconosco@prb10.org.br

FALE COM O PARLAMENTAR

Nesta semana, envie sua mensagem para a deputada federal Tia Eron

dep.tiaeron@camara.leg.br
(61) 3215-5618

QUEM É QUEM

Conheça as lideranças do Partido Republicano Brasileiro

CONFIRA

EU REPÓRTER

Deseja indicar uma matéria para sair aqui no Portal PRB?

pautas@prb10.org.br

RECEBA NO SEU EMAIL

Enviamos para seu email os destaque da semana.
Faça parte do Boletim 10!

Respeitamos seu email. Não gostamos de SPAM.

Você foi inscrito com sucesso!

Pin It on Pinterest