Prevenção impede derrota pessoal e familiar

03_06_13_artigos_e_textos_pr_valdemir_soares_prevencao_impede_a_derrota_pessoal_e_familiar

As famílias são o alvo das consequências das drogas e ficam esfaceladas por trás de discursos libertinos, enaltecendo os benefícios do uso da maconha. As vítimas da apologia e consumo de drogas, em sua maioria – mais de 60%, experimentam a maconha antes dos 18 anos, conforme II Levantamento Sobre o Álcool e Outras Drogas.

Os jovens com potencial intelectual e físico deixam suas famílias e seu futuro comprometidos por se tornarem reféns das drogas. O contato de jovens com as drogas sepulta o futuro e põe fim na unidade familiar. Portanto é preciso combater intensivamente esse avanço com ações de conscientização, dedicação das forças políticas municipal, estadual e federal. Sem desmerecer o efetivo trabalho de grupos voluntários como do Movimento Curitiba Te Quero Sem Drogas, que atua com a implementação de atividades esportivas e culturais para atrair jovens a práticas saudáveis.

Na adolescência os jovens estão aprendendo a definir sua trajetória do futuro e, incentivá-los ao esporte é um recurso decisivo no combate às drogas e na ressocialização de ex-dependentes. São realidades opostas e se motivadas as práticas saudáveis, extraem das estatísticas o número de tragédias relacionadas ao consumo de substâncias ilícitas e arrancam o sofrimento de muitos lares que vivem esse problema.

A situação se agrava quando se fala na facilitação do acesso à droga. A mestre em dependência química e coordenadora do II Lenad, Clarice Sandi Madruga, reforça essa posição ao afirmar que o uso da maconha na adolescência é extremamente nocivo. Para ela, facilitar o acesso às drogas, aumenta o consumo e também a proporção de quem tem o problema.

Outro item importante que é preciso salientar é o grande número de jovens que experimentariam a droga, pelo fácil acesso, ou seja, pela legalização. Acredito que aqui no Brasil há um temor. Legalizando qualquer tipo de entorpecente chamará muitos novos usuários, que não fariam o uso se não fosse liberada. Acredito também que temos muita força política e consciente para impedir  a mudança dessas questões.

Sem olvidar dos malefícios causados pela maconha, Valentim Gentil Filho, psiquiatra doutorado em psicofarmacologia clínica pela Universidade de Londres, disse em entrevista à Revista Veja que ?se fosse para escolher uma única droga a ser banida, seria a maconha?. Ele explica que os danos que outras drogas causam ao cérebro, como crack, cocaína e heroína cessam quando deixam de ser usadas. Ou seja, passado o período de abstinência, as funções do organismo se restabelecem. ?Com a maconha, a história é outra. É a única droga a interferir nas funções cerebrais de forma a causar psicoses definitivas, mesmo quando seu uso é interrompido?, diz o médico.

Preservar a saúde dos jovens e consequentemente sua unidade familiar, motivando-os com práticas esportivas é uma alternativa que tem gerado bons resultados. As ações de conscientização já tem o testemunho de diversos jovens recuperados das drogas. Investimento agora pelo futuro de uma sociedade mais saudável.

REPORTAR ERRO

Informar erro

COMPARTILHE

FALE CONOSCO

O PRB está de portas abertas para ouvir você

Sugestões, críticas, dúvidas e elogios

faleconosco@prb10.org.br

FALE COM O PARLAMENTAR

Nesta semana, envie sua mensagem para a deputada federal Tia Eron

dep.tiaeron@camara.leg.br
(61) 3215-5618

QUEM É QUEM

Conheça as lideranças do Partido Republicano Brasileiro

CONFIRA

EU REPÓRTER

Deseja indicar uma matéria para sair aqui no Portal PRB?

pautas@prb10.org.br

RECEBA NO SEU EMAIL

Enviamos para seu email os destaque da semana.
Faça parte do Boletim 10!

Respeitamos seu email. Não gostamos de SPAM.

Você foi inscrito com sucesso!

Pin It on Pinterest