Mulheres Negras: a cidadania se afirma a cada dia

Mulheres Negras: a cidadania se afirma a cada dia

Tia Eron é deputada federal e presidente do PRB Bahia

 

No dia 20 de julho, o Estatuto da Igualdade Racial completou cinco anos ainda mantendo o seu desafio inicial que é o de equiparar direitos e superar o racismo. No dia 25 de julho, comemora-se o Dia Internacional da Mulher Afrodescendente, data instituída pelas Nações Unidas para reafirmar perante ao mundo, o compromisso com a mulher negra da América Latina e do Caribe.

O que há em comum entre as duas datas é a certeza que para a população negra, enquanto gênero, o estatuto significa a possibilidade concreta para o Estado estabelecer políticas públicas afirmativas nas diversas áreas a serem criadas, conforme o problema, logo, exigindo dele, o Estado, soluções diferentes. Quanto à mulher negra, o ponto comum entre elas é a certeza de que até hoje, ela, a mulher negra, é a que mais sofre com o crime de racismo velado que se manifesta na contracultura de não reconhecer seus valores culturais e a sua sabedoria.

Quando falamos em cidadania, imaginamos algo para além das políticas afirmativas cujo escopo é buscar mecanismos institucionais para a superação do racismo e pela igualdade racial, reconhecendo que os afrodescendentes representam um setor definido da sociedade cujos direitos humanos devem ser promovidos e protegidos.

No caso das mulheres a exigência é maior. É preciso mais do que estabelecer o estatuto. Reconhecemos sua importância no sentido que ele veio procurar garantir a execução, nos três níveis de governo, de políticas de saúde, de educação, de esporte e de lazer, além do direito à liberdade de consciência, de crença, de cultos religiosos, de acesso à moradia, do trabalho e dos meios de comunicação.

No que tange à mulher, é preciso vê-la como um grupo específico de vítimas que carecem de uma nova consciência da população, para que finde todas as formas de discriminação. Consciência que leve o sexismo e o machismo a serem extintos como legado histórico. Assim, de um lado, a luta pelo aprimoramento das políticas de igualdade racial; de outro, a consciência acima dita, cujas condições serão efetivadas quando a sociedade, o Estado e cada uma de nós, formos capazes de entender o sentido, o aspecto e o significado das palavras da embaixadora argentina nas Nações Unidas, Marita Perceval: “¡Negra soy, pero bonita!” dice el Cantar de los Cantares y así digo yo, negra, con ovários”. A luta pela cidadania se afirma a cada dia. Viva o estatuto da igualdade racial! Viva o Dia Internacional da Mulher Afrodescendente!

*Tia Eron é deputada federal e presidente do PRB Bahia

 

Eu repórter republicano

Quer ser um repórter republicano e ver sua matéria publicada no Portal PRB? É muito simples. A Agência PRB Nacional disponibiliza um contato direto para receber todo o conteúdo (textos e fotos). Anote aí o e-mail: pautas@prb10.org.br. Viu como é fácil? Agora é só participar e nos ajudar a manter esse canal sempre atualizado.

REPORTAR ERRO

Informar erro

COMPARTILHE

FALE CONOSCO

O PRB está de portas abertas para ouvir você

Sugestões, críticas, dúvidas e elogios

faleconosco@prb10.org.br

FALE COM O PARLAMENTAR

Nesta semana, envie sua mensagem para a deputada federal, Rosangela Gomes (PRB-RJ)

E-mail (clique aqui)
ou
(61) 3215-5438

QUEM É QUEM

Conheça as lideranças do Partido Republicano Brasileiro

CONFIRA

EU REPÓRTER

Deseja indicar uma matéria para sair aqui no Portal PRB?

pautas@prb10.org.br

RECEBA NO SEU E-MAIL

Enviamos para seu email os destaque da semana.
Faça parte do Boletim 10!

Respeitamos seu email. Não gostamos de SPAM.

Você foi inscrito com sucesso!

Pin It on Pinterest

Quer fazer um
Curso de Política GRATUITO?

Preencha para receber seu acesso ao curso!