Infância livre

Marcos-Pereira-16-editada

 

No ano passado, o tema “Publicidade infantil em questão no Brasil” foi abordado na redação do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio). O debate sobre a regulação da publicidade dirigida às crianças no Brasil esteve em alta nessa época. A escolha do assunto gerou polêmica e poucos souberam formar uma opinião concreta do fato. Muitas empresas que exploram a figura da infância em seus produtos se sentiram ameaçadas, mas mesmo assim continuaram com as peças publicitárias, deixando o debate intenso na mídia.

Enquanto isso, nas prateleiras dos supermercados e nas propagandas de televisão, podemos perceber a atuação dessas indústrias, que abusam da abertura que é dada e expõem seus produtos a qualquer custo. Muitas vezes acabam não respeitando as recomendações necessárias do CONAR (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária), ocasionando práticas abusivas voltadas a um público de até 12 anos.

Empresas de salgadinhos, biscoitos, refrigerantes, bebidas achocolatadas e doces são as que mais estimulam o consumo por meio do uso da imagem de personagens de desenhos animados, cores intensas, brindes e promoções. Fora isso temos brinquedos, roupas e acessórios eletrônicos que ditam hábitos e comportamentos e propagam modelos a serem seguidos como corretos.

Existe toda uma linguagem do universo infantil que é utilizada de forma irresponsável e, em sua maioria, desleal, por enxergar apenas a competição de mercado. A propaganda incentiva a criança a consumir um produto que muitas vezes ela não precisa. E o que se discute é exatamente como mudar isso.

O artigo 37 do Código do Consumidor, que foi reforçado em abril de 2014 pela resolução 163 do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), é uma das alternativas dessa mudança e prevê o fim da veiculação de propagandas voltadas às crianças, por considerá-las abusivas. É possível perceber, então, a importância de se criar uma política que direcione os caminhos da publicidade e que respeite o espaço da criança e seu campo de conhecimento.

Podemos refletir também que o caminho é atuar e implementar regras que controlem o conteúdo e a imagem a ser veiculada. A criança não tem discernimento. Ela é pega pelo atrativo e não pelo conteúdo. Podem ser facilmente influenciadas, e não é uma escolha delas.

 

Marcos Pereira

Presidente Nacional do PRB

*Artigo publicado com exclusividade no Blog do R7: http://noticias.r7.com/blogs/marcos-pereira/

 

Site: www.marcospereira.com

Twitter: twitter.com/marcospereira04

Instagram: http://instagram.com/marcospereira1010

Facebook: www.facebook.com/marcospereira1010

Blog: http://noticias.r7.com/blogs/marcos-pereira/

Youtube: http://www.youtube.com/user/MARCOSPEREIRAPRB10

REPORTAR ERRO

Informar erro

COMPARTILHE

FALE CONOSCO

O PRB está de portas abertas para ouvir você

Sugestões, críticas, dúvidas e elogios

faleconosco@prb10.org.br

FALE COM O PARLAMENTAR

Nesta semana, envie sua mensagem para a deputada federal, Rosangela Gomes (PRB-RJ)

E-mail (clique aqui)
ou
(61) 3215-5438

QUEM É QUEM

Conheça as lideranças do Partido Republicano Brasileiro

CONFIRA

EU REPÓRTER

Deseja indicar uma matéria para sair aqui no Portal PRB?

pautas@prb10.org.br

RECEBA NO SEU E-MAIL

Enviamos para seu email os destaque da semana.
Faça parte do Boletim 10!

Respeitamos seu email. Não gostamos de SPAM.

Você foi inscrito com sucesso!

Pin It on Pinterest

Quer fazer um
Curso de Política GRATUITO?

Preencha para receber seu acesso ao curso!