A sempre esquecida reforma política

13_05_13_artigos_e_textos_marcos_cintra_a_sempre_esquecida_reforma_politica

Em fevereiro deste ano tomei posse como presidente do PRB (Partido Republicano Brasileiro) no Estado de São Paulo tendo como meta levar adiante o projeto do Imposto Único como alternativa para a reforma tributária. Outra proposta que vou discutir com a cúpula nacional do partido é o apoio à retomada do debate envolvendo a reforma política, medida fundamental para o País, mas que é sempre esquecida.

Tenho me manifestado frequentemente em defesa de uma ampla reforma política e que esse processo seja capaz de fazer com que algumas pessoas deixem de ser políticos profissionais. Entendo que seguindo essa linha essa reforma poderia ser uma contribuição eficaz para combater a corrupção no Brasil.

A política precisa de um tratamento de choque no País. É necessário muito rigor para exterminar a corrupção endêmica e os desmandos na vida pública brasileira. Nesse sentido, como venho dizendo há alguns anos, uma reforma política deveria ter como diretrizes os seguintes itens:

1) financiamento exclusivamente público de campanhas eleitorais, para controlar o poder econômico e desestimular negociatas com financiadores privados de campanhas;

2) voto distrital (preferencialmente misto) para aproximar o eleitor do eleito e proporcionar mecanismos mais eficientes de mútuo conhecimento e fiscalização;

3) radical redução dos cargos em comissão de livre provimento na administração pública, aqueles ocupados por pessoas indicadas por políticos e que não precisam de concurso, para assim fortalecer a formação de uma burocracia administrativa profissional e estável;

4) eliminação da remuneração para o exercício de cargos eletivos no Legislativo (vereadores, deputados e senadores), aceitando-se somente o reembolso de custos incorridos no exercício da função, para evitar a profissionalização da política;

5) proibição de reeleições sucessivas também para o Poder Legislativo (vereadores, deputados estaduais, deputados federais e senadores) para estimular a rotatividade e evitar a acomodação dentro da atividade pública eletiva;

6) impedimento ao exercício de funções executivas por detentores de mandatos legislativos para garantir a plena independência entre os poderes;

7) obrigatoriedade de abertura automática dos sigilos fiscal e bancário de todos os candidatos a cargos políticos e de administradores públicos, independentemente de autorização judicial, para coibir a corrupção e inibir o apetite dos que entram na política por motivos inconfessáveis ou com passados duvidosos;

8) fidelidade partidária, para evitar que os parlamentares venais sejam cooptados em troca de apoio.

O Brasil precisa empreender mudanças em sua estrutura política visando fortalecer o sistema democrático e eliminar práticas esclerosadas e ilícitas que dilapidam a ética e as finanças públicas. É imprescindível moralizar a máquina governamental brasileira em todos os níveis. Insisto em dizer que é preciso remodelar os parâmetros comportamentais da classe política do País.

Marcos Cintra, presidente estadual do PRB-SP, doutor em Economia pela Universidade Harvard (EUA), professor titular e vice-presidente da Fundação Getúlio Vargas

 

TAGS:
REPORTAR ERRO

Informar erro

COMPARTILHE

FALE CONOSCO

O PRB está de portas abertas para ouvir você

Sugestões, críticas, dúvidas e elogios

faleconosco@prb10.org.br

FALE COM O PARLAMENTAR

Nesta semana, envie sua mensagem para a deputada federal Tia Eron

dep.tiaeron@camara.leg.br
(61) 3215-5618

QUEM É QUEM

Conheça as lideranças do Partido Republicano Brasileiro

CONFIRA

EU REPÓRTER

Deseja indicar uma matéria para sair aqui no Portal PRB?

pautas@prb10.org.br

RECEBA NO SEU EMAIL

Enviamos para seu email os destaque da semana.
Faça parte do Boletim 10!

Respeitamos seu email. Não gostamos de SPAM.

Você foi inscrito com sucesso!

Pin It on Pinterest