A conquista do voto feminino no Brasil: 84 anos de espera por equiparação

A conquista do voto feminino no Brasil: 84 anos de espera por equiparação

Tia Eron evidencia que a conquista do voto feminino no Brasil é um marco na história da mulher.

 

A conquista do voto feminino no Brasil é um marco na história da mulher. Ainda que historicamente nossas conquistas sejam mais lentas, devemos fazer o devido registro em respeito há mais de um século de luta dos movimentos feministas e das mobilizações das primeiras sufragistas, que possibilitaram a garantia de nossos direitos, em especial, o direito de votar e ser votada. É preciso honrar o eco das primeiras vozes femininas que se manifestaram aqui, no nordeste, por meio da abolicionista e feminista Nísia Floresta, no Rio Grande do Norte, da baiana Violante Bivar e Velasco, e tantas outras mergulhadas nos ideais sufragistas de Bertha Lutz, influenciadas pelo movimento ao redor do mundo, em especial, das americanas e inglesas.

No Decreto de 1932, o direito ao voto só era permitido, inicialmente, às mulheres casadas, com autorização dos maridos, e às viúvas e solteiras que tivessem renda própria. Só 14 anos depois, em 1946, é que essa obrigatoriedade foi estendida. A verdade é que nós mulheres estivemos desfiguradas e ausentes na história brasileira por muito tempo, pois não se fazia e ainda não se faz, justiça ao papel que desempenhamos no desenvolvimento do país.

E pensar que a luta pelo voto feminino já chegou a ser considerada uma anarquia e que entre os argumentos dos congressistas da época para a não aprovação da medida estavam o de inferioridade da mulher e o perigo de dissolução da família. Passados 84 anos, a mulher tem o direito ao voto, pode participar de pleitos eleitorais e mostrou que não é inferior ao homem em nenhum aspecto, ao contrário, desempenha muito bem suas tarefas.

O chamado empoderamento feminino, nada mais é do que a luta pela efetivação de direitos fundamentais e pela tão sonhada igualdade de gêneros. Ainda somos vítimas de opressão, preconceito e todos os tipos de violência, sem falar que continuamos minoria em quesitos como escolaridade, espaço no mercado de trabalho, salários, entre outros aspectos.

As mulheres representam mais da metade do eleitorado brasileiro. No entanto, somos minoria de candidatas e de representações nos poderes executivo e legislativo. Quando cheguei ao Congresso Nacional, me deparei com a ausência de uma comissão permanente de defesa do direito da mulher, e essa é a prova incontestável de que o Brasil não tem um olhar sensível sobre suas mazelas. Nossa representatividade hoje é de 9,9% na Câmara dos Deputados e 13% no Senado. Os índices estão bem abaixo da média mundial, que chega a ser de 22,1%. O Congresso Nacional fica em 116º lugar no ranking de 190 países, no quesito de representação feminina. O Brasil tem menos mulheres no legislativo que o Oriente Médio, onde a taxa de participação feminina é de 16%. A própria Organização das Nações Unidas (ONU) defende essa equiparação, que vem como reflexo da nossa sociedade, da qual somos a maior fatia.

No entanto, essa é uma luta penosa, a fórceps. Quando pedimos igualdade de gênero, equiparação, cotas, e defendemos a importância da mulher ter um assento em uma casa legislativa, é porque só ela sabe discutir as suas questões. Sendo assim, ingressamos com um projeto de Lei na Câmara para garantir que, caso uma mulher eleita saia do cargo, por algum motivo, a suplente convocada seja outra mulher, independentemente de sua colocação.

É inegável que obtivemos avanços ao longo da história. Mas ainda há muito que se alcançar na ocupação de espaços em todas as esferas de poder da sociedade. E diante do cenário que o Brasil atravessa, não restam dúvidas de que é urgente e imprescindível ampliar a participação das mulheres na vida política do país.

 

***Tia Eron é deputada federal pelo PRB Bahia

 

Eu repórter republicano

Quer ser um repórter republicano e ver sua matéria publicada no Portal PRB? É muito simples. A Agência PRB Nacional disponibiliza um contato direto para receber todo o conteúdo (textos e fotos). Anote aí o e-mail: pautas@prb10.org.br. Viu como é fácil? Agora é só participar e nos ajudar a manter esse canal sempre atualizado.

REPORTAR ERRO

Informar erro

COMPARTILHE

FALE CONOSCO

O PRB está de portas abertas para ouvir você

Sugestões, críticas, dúvidas e elogios

faleconosco@prb10.org.br

FALE COM O PARLAMENTAR

Nesta semana, envie sua mensagem para a deputada federal Tia Eron

dep.tiaeron@camara.leg.br
(61) 3215-5618

QUEM É QUEM

Conheça as lideranças do Partido Republicano Brasileiro

CONFIRA

EU REPÓRTER

Deseja indicar uma matéria para sair aqui no Portal PRB?

pautas@prb10.org.br

RECEBA NO SEU E-MAIL

Enviamos para seu email os destaque da semana.
Faça parte do Boletim 10!

Respeitamos seu email. Não gostamos de SPAM.

Você foi inscrito com sucesso!

Pin It on Pinterest