Marcos Pereira é entrevistado por jornal de Goiás

8_02_13_destaque01_go_marcos_pereira_entrevistado_jornal_hoje

 

“Somos aliados, mas não subservientes”, disse o presidente nacional do PRB, Marcos Pereira, em recente entrevista ao jornal goiano O Hoje. Entrevistado pelo jornalista Venceslau Pimentel, o republicano afirma que os ideais do partido estão acima de alianças e que a sigla saiu fortalecida nas últimas eleições.

Confira a entrevista na íntegra:

“Presidente nacional do Partido Republicano Brasileiro (PRB), o advogado e professor universitário Marcos Pereira ressalta a aliança política com a presidente Dilma Rousseff (PT), mas diz que a legenda, por uma questão de princípio, só vota favorável a projetos que venham ao encontro dos interesses da população. Para ele, a aliança não significa subserviência. Em entrevista ao O HOJE, Pereira diz que o partido, que tem apenas oito anos de criação, busca se consolidar no Brasil, agora usando como trunfo o bom desempenho do ex-candidato a prefeito de São Paulo Celso Russomanno.

Ele garante que o embate entre Russomanno e Fernando Haddad não melindrou a relação com Dilma, e anunciou que o ex-prefeitável é o virtual candidato do partido ao governo paulista. Ex-executivo do Grupo Record, quando atuou como presidente de Relações Institucionais, Pereira assegura que, hoje, não tem projeto político. O foco, diz ele, é a consolidação.

O HOJE – Presidente, quais as metas do partido neste ano, tendo em vista 2014?

Marcos Pereira –Nós estamos mobilizando os presidentes estaduais, a nossa militância, para trazer neste momento ao partido filiações, até setembro deste ano. Queremos filiações de pessoas, de lideranças, que queiram disputar as eleições em 2014, e que possam colaborar com o projeto de crescimento do partido. Nosso foco agora é trazer pessoas, lideranças que possam nos ajudar a cumprir uma meta, um objetivo que a gente tem para o ano que vem: eleger de 15 a 20 deputados federais.

O HOJE – E com relação às eleições nos Estados?

Marcos Pereira –Onde tivermos nomes competitivos, vamos lançar candidatos a governador. Eu não tenho a intenção de lançar candidato apenas por lançar. Tem de ser competitivo.

O HOJE – Onde o partido cogita lançar candidatura própria ao governo?

Marcos Pereira –Em São Paulo. O resultado da eleição municipal mostra isso, com Celso Russomanno, que ficou em terceiro lugar, com 1 milhão e 324 mil votos. No Rio de Janeiro, com o senador e ministro da Pesca, Marcelo Crivella. Em Roraima e Alagoas temos bons nomes.

O HOJE – O que fica de lição para o partido com a derrota de Celso Russomanno na disputa pela Prefeitura de São Paulo?

Marcos Pereira –A meu ver aconteceram duas coisas primordiais para que a gente não fosse para o segundo turno. Faltaram-nos fôlego financeiro e tempo de televisão. Nós perdemos as eleições nos últimos dez dias antes do pleito, que foi quando houve uma intensificação muito grande dos adversários. Outro ponto: o PT, especificamente, pegou uma linha do plano de governo do Russomanno, ideia boa, mas difícil de ser executada. Foi uma falha, realmente, da elaboração do plano de governo, que dizia que a tarifa do transporte público seria cobrada proporcional ao trecho percorrido. Eles pegaram isso, distorceram. E as pílulas na televisão desconstruíram a ideia.

O HOJE – O apoio da Igreja Universal do Reino de Deus também teria tirado votos de Russomanno?

Marcos Pereira –Pode ter tirado um pouco, mas não foi isso o fator determinante para o resultado da eleição. Ele não é da Igreja Universal. Ele é católico.

O HOJE – E as lições que a legenda tira da eleição na capital paulista?

Marcos Pereira –Eu tenho dito que os acertos nós precisamos aprimorá-los; os erros, corrigi-los. E se realmente se confirmar se Russomanno for candidato (a governador), e essa é a nossa intenção, nós vamos buscar trazer uma coligação muito maior, porque na época nós tivemos muitas dificuldades. O PTB veio na última hora. Os partidos maiores poderão se animar com o resultado do nosso partido, em São Paulo.

O HOJE – O embate em São Paulo, entre o PRB e o PT, melindrou a relação do seu partido com a presidente Dilma Rousseff?

Marcos Pereira –Não. O nosso partido compõe a base do governo federal. Eu digo que o partido já nasceu junto com o PT. José Alencar disputou o segundo mandato (de vice-presidente de Lula) já pelo PRB. Nós temos um ministério, o da Pesca, com o senador Crivella.

O HOJE – E a sigla está satisfeita com o espaço no governo?

Marcos Pereira –Acho que o espaço é condizente com o tamanho do partido. E os nossos deputados e o nosso senador votam, no Congresso Nacional, com os desejos do governo, desde que não sejam contrários aos interesses da população. Temos esses princípios. Somos aliados, mas não somos subservientes.

O HOJE – O senhor descartaria a possibilidade de o PRB compor com o PT e lançar o candidato a vice-governador?

Marcos Pereira –Não. Não é impossível.

O HOJE – Apesar do embate na campanha, PRB tem diálogo com  PT?

Marcos Pereira –Tem diálogo. Muito menos do que deveria ter. O PT de São Paulo é um pouco difícil. Já falei com a presidente Dilma, já falei com o ex-presidente Lula. Mas com ambos temos um bom diálogo. Com o pessoal paulista, em si, temos menos do que a gente deveria ter.

O HOJE – Como o PRB se posicionou em relação à eleição da nova Mesa Diretora da Câmara dos Deputados?

Marcos Pereira –Eu deixei esse assunto a cargo dos deputados. Eu não me envolvi muito porque é um assunto da Casa. Os deputados, evidentemente, vieram conversar, e eu disse que fizessem o que fosse melhor para a Casa.

O HOJE – Tradicionalmente é escolhido para dirigir os partidos alguém que detém cargo eletivo. Como se deu a escolha do senhor para presidir o PTB, não sendo parlamentar?

Marcos Pereira –Eu milito em partido desde os 18 anos de idade. O primeiro partido ao qual me filiei foi o PTdoB. Na época, eu pretendia me candidatar a vereador, mas isso não aconteceu. Depois, quando me mudei para São Paulo, há quase 14 anos, me filiei ao PSB, e fiquei lá até vir para o PRB.

O HOJE – O senhor tem projeto político pessoal?

Marcos Pereira –Todo mundo fala sobre o assunto, mas eu ainda estou avaliando. Talvez eu possa ser indicado suplente em chapa de senador. É o máximo que pode acontecer. Mas pode ser que eu dispute também. Na política, dizem que a gente não faz o que quer, faz o que precisa ser feito.

O HOJE – Como avalia projeto que tramita na Câmara que limita a criação de novos partidos?

Marcos Pereira –Quem tem de determinar o número de partidos políticos é a nossa Constituição, que prevê o pluripartidarismo. Eu acho que o pluripartidarismo é importante. O eleitor é que tem de avaliar os partidos e ir selecionando.

O HOJE – O que esperar para o futuro do PRB?

Marcos Pereira –Nós procuramos preservar o legado que nos foi deixado por José de Alencar. Quando perguntado se tinha medo da morte, disse ter medo da desonra. É nessa toada que nós estaremos focando na qualidade e não na quantidade”.

Fonte: Jornal O Hoje-GO

Foto: André Costa

 

*O seu material também pode ser publicado no Portal PRB. Você pode enviar fotos, textos, áudios ou vídeos para o emailpautas@prb10.org.br

 

 

TAGS:
REPORTAR ERRO

Informar erro

COMPARTILHE

FALE CONOSCO

O PRB está de portas abertas para ouvir você

Sugestões, críticas, dúvidas e elogios

faleconosco@prb10.org.br

FALE COM O PARLAMENTAR

Nesta semana, envie sua mensagem para a deputada federal Tia Eron

dep.tiaeron@camara.leg.br
(61) 3215-5618

QUEM É QUEM

Conheça as lideranças do Partido Republicano Brasileiro

CONFIRA

EU REPÓRTER

Deseja indicar uma matéria para sair aqui no Portal PRB?

pautas@prb10.org.br

RECEBA NO SEU EMAIL

Enviamos para seu email os destaque da semana.
Faça parte do Boletim 10!

Respeitamos seu email. Não gostamos de SPAM.

Você foi inscrito com sucesso!

Pin It on Pinterest